Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




É, sem dúvida, uma obra prima da literatura portuguesa. Um romance sobre a emigração económica e também política, dos anos cinquenta até à Revolução de Abril e à actualidade.

 

As descrições minuciosas e perfeitas da vila alentejana e das suas gentes encontram paralelo na visão dos bairros da lata de Champigny e Saint Denis.

 

Livro, título da obra, é simplesmente o livro que Ilídio dá à sua namorada Adelaide e o nome que esta dará mais tarde, casada em Paris com o intelectual comunista Constantino, ao filho que nasceu de um fortuito encontro com Ilídio, numa sua vinda à terra sem o marido.

 

As personagens, muito elaboradas, são de uma verdade e de um pitoresco fabulosos, cruas e por vezes muito originais e coloridas; o Cosme, amigo do coração de Ilídio e de Adelaide; o padre manhoso e falso; o generoso e leal Josué, pedreiro e mestre de Ilídio, seu amigo; a negra Sidonie, a quem Livro ensina a literatura; a velha, luxoriosa e gananciosa, Lubélia, enterrada viva.

 

A interioridade riquíssima de Livro mostra um ser complexo, que tudo abrange e finalmente se revela autor de tudo o que lemos, autor, narrador e personagem. Dito isto, sentimos que não dissemos ainda o essencial, porque este romance é a tal ponto renovador que dá à pungência da realidade social como que um toque de magia, fundindo-a nos sonhos dos emigrantes, cristalizados nas suas casas afrancesadas, cheias de azulejos e de ostentação.

 

A poética de José Luís Peixoto está muito discretamente na sua escrita, pelo meio de exuberantes referências culturais.

 

Leiam e verão se este não é o ponto mais alto de um escritor por vezes, como Saramago, tocado pelo génio.

 

Urbano Tavares Rodrigues





Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:34


7 comentários

Sem imagem de perfil

De Kátia Suelotto a 05.12.2010 às 18:32

Maravilhosas as palavras de Urbano acerca do "Livro", de fato uma obra de gênio, daquelas que se eternizarão na literatura e, principalmente, no imaginário de seus leitores.
Sem imagem de perfil

De emília morais a 05.12.2010 às 22:27

Acabei neste momento de ler o "Livro". História intensa. Gostei imenso...é tema para um trabalho a apresentar no âmbito da cadeira de Língua e Identidade Cultural do curso de Comunicação que frequento, no ISCIA de Aveiro
Bem haja
Sem imagem de perfil

De Clara a 07.12.2010 às 15:07

A crítica do Urbano Rodrigues iguala-se ao Livro. Deixa-me a gaguejar e sem saber o que dizer. Imenso.
Sem imagem de perfil

De Diana Ribeiro a 09.12.2010 às 23:41

Neste momento tenho o "Livro" aqui, mesmo ao pé de mim. Cheguei à página 224 e não consegui avançar mais. Quando vi as palavras "gosto", "de", "ti" fiquei literalmente com uma crise de choro e de nervos, e agora estou aterrorizada só de pensar que possa estar escrito algures nas páginas seguintes "Constantino". Nunca nenhum livro me fez estar perto desta sensação... Ainda não o acabei e este já é o Melhor Livro que alguma vez poderia te lido! Muitos parabéns, sinceramente.
Imagem de perfil

De amaria a 13.12.2010 às 11:26

Amo as palavras..e Jose Luis Peixoto sabe fazer delas, algo mágico , que nos consegue fazer sair da realidade e transpor para as suas historias..

Parabens por tao bem saber usar o poder da escrita ...

votos de muitos sucessos,..que lhe sejam sempre reconhecidos os seus meritos..!
Sem imagem de perfil

De Carina Leal a 13.12.2010 às 13:27

Terminou o "Livro"... Agora... Obrigada por ele!
Sem imagem de perfil

De Vânia Ribeiro a 29.12.2010 às 21:22

Não sou mãe mas senti Livro como um filho. Conseguiu fazer-me sentir o ciclo da vida e eu estava presente nesse viver.
Mágico.
Foi dificil deixá-lo partir mas é a vida.
Obrigada

Comentar artigo




Instagram


papéis jlp
Arquivo de recortes sobre José Luís Peixoto e a sua obra.

projecto moldura


youtube jlp

galveias no mundo






install tracking codes
Visitors since may 2015

Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.